Malek Jahan, a mulher que desejava a morte de Bahá’u’lláh


Por Tom Lyasght.

Malek Jahan

No século XIX, o homem persa protegia a sua posse principal, escondendo-a e cercando os seus méritos com mistério. Era como se a sua esposa estivesse envolta não só em tecido, mas também coberta com pedra e ferro.

O lar persa desse tempo era semelhante uma prisão – com mulheres em confinamento solitário num espaço isolado dentro da própria casa. O facto do centro dessa clausura em cada casa ser designado como andaruni – ou lugar sagrado – dificilmente o tornava merecedor de consideração por parte das mulheres residentes.

Com a vida inteira confinadas no interior de uma casa, as mulheres persas não podiam tomar parte nos assuntos de interesse geral. Não podiam sequer ter voz sobre os seus próprios destinos. O simples acto de perguntar a um homem persa sobre uma certa mulher da sua família era tido como indelicado, e até mesmo insultuoso. Até mesmo perguntar o nome da esposa de um homem era considerado intrusivo e ofensivo. Mais apropriadamente, ela seria chamada de “a pessoa da casa” ou, se fosse tão abençoada a ponto de ter um filho, poderia ser designada como “a mãe de fulano”.

Naquele tempo e naquela cultura, uma mulher não era uma pessoa – a sua existência estava associada apenas à existência de um homem.

Um ambiente tão restritivo e claustrofóbico para as mulheres persas tornou a ousada proclamação de Tahirih em Julho de 1848 ainda mais notável. Na Conferência de Badasht, ela retirou o véu do seu rosto e anunciou a emancipação de todas as mulheres.

Não sendo um gesto excêntrico ou meramente pessoal, o acto ousado de Tahirih naquele dia aconteceu em coordenação tanto com o Báb como com Bahá’u’lláh. Separados no espaço, mas unidos no propósito, aqueles dois mensageiros de Deus proclamaram que tinha amanhecido um Novo Dia. O Báb fê-lo transformando um tribunal público em Tabriz, convocado para O humilhar, num espaço para anunciar que Ele era o Prometido de todas as religiões.

Entretanto, Bahá’u’lláh incentivou os primeiros seguidores do Báb como pioneiros deste novo dia de mudança progressiva. ‘Abdu’l-Bahá, filho de Bahá’u’lláh, referiu-Se aos vários ensinamentos inovadores da nova revelação, incluindo aquele dramaticamente proclamado por Tahirih:


O mundo da humanidade tem duas asas – uma são as mulheres e a outra são os homens. Só quando ambas as asas estiverem igualmente desenvolvidas, o pássaro poderá voar. Se uma asa continuar fraca, é impossível voar. Só quando o mundo das mulheres se tornar igual ao mundo dos homens na aquisição de virtudes e perfeições, podem o sucesso e a prosperidade ser alcançados como deveriam ser. (’Abdu’l-Bahá, A Compilation on Women, pp. 8)

Estes ensinamentos revolucionários e liberais, bem como as personagens heroicas a eles associadas, são conhecidos da maioria dos leitores da história Bahá’í – mas menos familiar é uma mulher que podemos considerar como sendo o oposto de Tahirih.

Em 1848, a esposa do xá Muhammad, Malek Jahan (também conhecida como Mahd Ulya, “Berço sublime”), mostrava a sua própria versão onerosa dos direitos das mulheres. Decidida a ver o seu filho adolescente suceder ao seu marido moribundo, a Mãe Real foi conivente com a eliminação de todos os rivais, e no apressar a morte do rei. A sua intenção era simples: governar como regente do seu filho, não à luz da nova consciência que surgia em 1848 (este foi o “Ano da Revolução” na Europa), mas nas trevas da antiga tirania e intolerância.

Embora tenha nascido numa proeminente família Qajar, Malek Jahan era o tradicional peão feminino numa sociedade centrada no homem. Como parte de um ambicioso esquema de fortalecimento de laços familiares, iniciado pelo anterior xá da Persia, ela casou-se aos 14 anos com o menino de 11 anos que se tornaria o xá Muhammad. No entanto, Malek Jahan ultrapassou a barreira do analfabetismo sob o qual as meninas muçulmanas eram criadas, e aprendeu a escrever persa e árabe sozinha. Conseguiu mesmo tornar-se versada em literatura, e também desenvolveu talento como calígrafa.

Mirza Aqa Khan,
grão-vizir da Pérsia entre 1851 e 1858

Entretanto, a determinação de Malek Jahan em libertar-se das restrições femininas relativas à educação estendeu-se às que se referiam ao casamento. Depois de partir numa longa expedição, o seu jovem marido mandou chamar a esposa para se juntar a ele. Em resposta, Malek Jahan comprou uma escrava, e enviou-a como presente, em vez de ir ela própria. O facto de ter tido vários amantes não era um segredo. A alegada relação incestuosa de Malek Jahan com o seu irmão pode ter sido apenas uma manobra para a desacreditar; no entanto, outras acusações de adultério eram mais difíceis de descartar como meras calúnias. Mirza Aqa Khan, grão-vizir durante o massacre de numerosos Bábis em Teerão em 1852, era frequentemente considerado um desses amantes.

Mesmo após a ascensão do seu marido ao trono persa, os casos extraconjugais de Malek Jahan continuaram. As suas turbulentas festas nocturnas escandalizaram o xá Muhammad. “Senhora, não podeis ser mais discreta?“, implorou ele. Finalmente, o seu caso com o administrador-chefe do palácio, Ali Khan, tornou-se tão descarado que o xá Muhammad foi forçado a exilá-lo.

No entanto, quando o xá Muhammad morreu e Malek Jahan conseguiu colocar o seu filho de 17 anos no trono persa, e mandou regressar o seu amante que estava exilado. Seguidamente, manipulou o jovem xá Nasirid-Din para nomear Ali Khan chefe da casa real. Neste cargo de elevada condição, este homem brutal acompanhou o estrangulamento de Tahirih em 1852, e ordenou o massacre de milhares de outros Bábis naquele verão.

Durante anos, Malek Jahan desejou a morte de Bahá’u’lláh. Ela considerava aquele prestigiado nobre da província de Nur como uma ameaça política. Mas, como Bahá’u’lláh pertencia de uma família ilustre e tinha boas relações na corte, ela não foi capaz de realizar o seu objectivo criminoso. Mas em 1852, quando três Bábis obcecados tentaram assassinar o jovem xá Nasirid-Din, Malek Jahan aproveitou a oportunidade. Culpando todos os Bábis pelo ataque contra o seu filho, ordenou que todos fossem presos e executados. Muito foram colocados na masmorra do Siyah-Chal, o infame “Poço Negro”, incluindo Bahá’u’lláh:


Fomos relegados durante quatro meses num lugar imundo, sem comparação… uma cova escura e estreita seria preferível… A masmorra estava envolta em densas trevas… Nenhuma pena pode retratar aquele local, língua alguma descrever o seu cheiro horrível. A maioria daqueles homens não tinha roupas, nem lençóis onde se deitar. Só Deus sabe o que Nos sucedeu naquele lugar terrivelmente nauseabundo e lúgubre! (Bahá’u’lláh, Epístola ao Filho do Lobo, ¶32)

Vociferando a sua exigência pelo sangue de Bahá’u’lláh, Malek Jahan tentou, através do seu amante ambicioso, envenená-lo. Entretanto, todos os dias vários prisioneiros Bábis eram retirados da masmorra e torturados cruelmente até a morte. Ao descrever essas mortes horríveis, o cronista Bahá’í Nabil descreveu não só o ódio venenoso de Malek Jahan por Bahá’u’lláh, mas também o seu fracasso óbvio em extinguir a luz da nova revelação:


Todo este sofrimento e a vingança cruel… não conseguiram apaziguar a raiva da mãe do Xá. Dia e noite ela insistia no seu clamor vingativo, exigindo a execução de Bahá’u’lláh, que ela ainda considerava o verdadeiro autor do crime. ‘Entreguem-no ao carrasco!’ gritava ela insistentemente às autoridades. “Que humilhação maior do que esta, para mim, que sou a mãe do Xá, ser impotente para infligir a esse criminoso o castigo que um ato tão ignóbil merece!” O seu grito de vingança, intensificado por uma raiva impotente, estava condenado a ficar sem resposta. Apesar das suas tramas, Bahá’u’lláh escapou ao destino que ela tão insistentemente se esforçara por precipitar. O Prisioneiro acabou por ser libertado da Sua reclusão e conseguiu desenvolver e estabelecer, para lá dos limites do reino do seu filho, uma soberania com a qual ela nunca poderia ter sonhado. (The Dawn-Breakers, p. 635)

Assim, percebemos melhor o motivo pelo qual aqueles primeiros mártires Bábis foram considerados “Rompedores da Alvorada” quando vemos a escuridão moral depravada que eles tiveram de atravessar.


———————————-
Traduzido e adaptado do texto: The Woman Who Tried to Kill the Prophet (www.bahaiteachings.org)

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Tom Lysaght é autor de várias peças de teatro, nomeadamente “Heralds of the Covenant” (que foi exibida Durante o Congresso Mundial Bahá’í de 1992). Foi director da Radio Bahá’í do Lago Titcaca (Peru) e é autor do site Your Creative Stage que pretende lançar o teatro como instrumento de construção de comunidades.



Source link

Leave a Reply

Home Privacy Policy Terms Of Use Contact Us Affiliate Disclosure DMCA Earnings Disclaimer